Parcialidade da mídia mineira chama a atenção neste início de segundo turno

Parcialidade da mídia mineira chama a atenção neste início de segundo turno

A mesma prática adotada pela imprensa mineira quando o PSDB estava no governo do estado volta a ser utilizada como tática de guerrilha eleitoral no segundo turno da eleição de Minas.


Na ocasião, quando Aécio Neves e Anastasia governavam o estado, os principais jornais de Minas Gerais recebiam fartos recursos públicos por meio de propaganda institucional para propagar "fake news" e denegrir a imagem de adversários políticos.


Segundo publicações na internet, esta OPERAÇÃO era comandada pela irmã e "braço direito" de Aécio Neves que foi presa em agosto de 2017 sob a acusação de recebimento de propina.




Irma de Aécio Neves, Andrea Neves que foi presa em agosto de 2017 sob a acusação de recebimento de propina da JBS


No segundo turno da eleição mineira já se verifica nos principais jornais de circulação e nos seus respectivos portais, uma discrepância enorme em relação às duas candidaturas: notícias sempre positivas a favor de Anastasia, e denuncias e distorção de falas sobre o candidato vencedor do primeiro turno Romeu Zema.


Recentemente a presidente do TSE se manifestou sobre a dificuldade de se combater as chamadas "Fake News" que muita das vezes podem vir camufladas em jornais renomados e de grande circulação.