Furacão Florence começa a atingir a costa leste dos EUA

Furacão Florence começa a atingir a costa leste dos EUA

O furacão Florence, que caiu para a categoria 2, começou a atingir, nesta quinta-feira (13), a costa leste dos Estados Unidos com ventos de 155 km/h e chuvas torrenciais, que, segundo as previsões, podem causar alagamentos catastróficos.


A Agência Federal para o Manejo de Emergências (FEMA) pediu que não baixem a guarda.


"Só porque a velocidade do vento diminuiu, a intensidade da tempestade baixou para dois, por favor não baixem a guarda", advertiu o diretor, Brock Long. 


O boletim das 21h00 GMT (18h00 de Brasília) do Centro Nacional de Furacões (NHC) adverte contra o risco dos potentes ventos sustentados de 155 km/h e as chuvas torrenciais.


Segundo o texto, o olho do Florence estava a 160 quilômetros a leste-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e diminuiu seu deslocamento rumo à costa a 7 km/h. Estima-se que possa tocar terra na sexta-feira.


E voltou a advertir sobre a possibilidade de "inundações extremamente perigosas".


"Ocorrerá um aumento do nível da água de 1,8 m a 2,7 m", disse Steve Goldstein, diretor do Escritório Nacional de Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA).


Segundo Goldstein, a velocidade do Florence havia diminuído durante a noite, pelo que se esperava que tocasse terra nos estados da Carolina del Norte e do Sul, em ao menos outras "36 horas". 


"Em algum momento de sexta-feira à tarde, de sexta à noite ou de sábado", assinalou Goldstein. 


Perto da linha costeira, os ventos já eram percebidos nesta quinta e a localidade de Myrtle Beach, na Carolina do Sul, estava praticamente deserta. 


"Eu me sentia bem até que acordei essa manhã e vi que era uma cidade deserta", contou um morador de 40 anos, dizendo que se abrigará em Charlotte. 


 'Cuidado, Estados Unidos' 


À medida que a tempestade se aproxima, o presidente americano, Donald Trump, e as autoridades estaduais e locais pediam aos moradores que estão na trajetória do furacão que deixassem as suas casas. 


"Estamos completamente prontos para o furacão Florence, enquanto a tempestade se torna maior e mais poderosa. Sejam cautelosos!", escreveu Trump em um tuíte. 


Os pedidos para terem cuidado com a tempestade chegaram, inclusive, da Estação Espacial Internacional, o astronauta alemão Alexander Gerst tuitou fotos do furacão gigante e escreveu: "Cuidado, Estados Unidos!".


O NHC reiterou que o Florence continua criando "uma situação potencialmente fatal" devido aos riscos de que a tempestade retome força perto das áreas costeiras.


As ordens de evacuação alcançam cerca de 1,7 milhão de pessoas na Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, muitas das quais prepararam as suas casas e estabelecimentos comerciais para a chegada da tempestade, e, na quarta-feira, fizeram o seu caminho para se refugiar das devastações do vento. 


"A tempestade é fatal. Qualquer um que esteja na zona de evacuação nas Carolinas e na Virgínia tem que sair AGORA, se já não o tiver feito", alertou a FEMA. "O tempo está acabando", reiterou. 


Estima-se que quando a tempestade tocar terra, as chuvas somarão quase um metro. 


Cinco estados declararam estado de emergência: Carolina do Norte, Carolina do Sul, Geórgia, Maryland e Virgínia, além da capital, Washington. 


"É imperativo que todos sigam as ordens locais de evacuação", assinalou Trump, que publicou anteriormente no Twitter um vídeo pedindo às pessoas que "não brinquem" com este furacão.


Os voluntários que se organizaram após as inundações da Luisiana em 2016 viajaram para a costa leste dos Estados Unidos para atender as possíveis vítimas do furacão.


Cerca de uma centena de pessoas de todo o país viajou para a Carolina do Sul em nome da organização Cajun Navy, que recolhe os pedidos de auxílio e envia aos voluntários ao terreno a prover ajuda.


Até três milhões sem energia elétrica 


"Amanhã pode ser muito tarde. Não esperem o último minuto", assinalou Brenda Bethune, prefeita de Myrtle Beach.


Florence será "como um direto de Mike Tyson na costa das Carolinas", declarou o funcionário da FEMA Jeff Byard, que também advertiu sobre os cortes de energia, o fechamento das estradas, os danos à infraestrutura e os riscos para as pessoas. 


A Duke Energy,  empresa de eletricidade presente nas duas Carolinas, estimou que entre um e três milhões de clientes ficarão sem energia elétrica devido à tempestade e que pode levar até uma semana para restaurar o serviço. 


O governador da Geórgia, estado que na quarta-feira declarou emergência, disse que mobilizará "todos os recursos disponíveis" para fazer frente aos ventos e às precipitações. Trump garantiu a ele contará a ajuda do governo federal e da Agência para a Gestão de Situações de Emergência, assinalou a Casa Branca.